Coordenações de Pastoral têm reunião para pensar as atividades anuais

O objetivo do encontro na Fapcom, com a participação do Cardeal Scherer, é o de estruturar ações em sintonia com o sínodo arquidiocesano
Publicado em: 23/03/2018 - 12:00
Créditos: Redação
Luciney Martins/O SÃO PAULO

Os coordenadores das regiões, setores e pastorais da Arquidiocese, religiosos e religiosas, padres e os vigários episcopais das regiões se reuniram no sábado, 17, a partir das 8h30. O encontro, realizado anualmente para abrir o ano pastoral na Arquidiocese, aconteceu na Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação (Fapcom), na zona Sul. 

O objetivo da atividade foi pensar ações e projetos em sintonia com o sínodo arquidiocesano. “Contamos muito com vocês para que, naquilo que é atribuição de cada um, façam acontecer o que está previsto para este ano”, disse o Cardeal Scherer, Arcebispo Metropolitano, no início do evento. 

Dom Odilo lembrou das grandes celebrações e motivações que devem guiar todos os projetos em 2018, além das orientações do 12º Plano de Pastoral (2017-2020), do sínodo arquidiocesano, da Campanha da Fraternidade sobre a superação da violência e do Ano Nacional do Laicato.

“Este é o ano de fazermos um grande empenho na base. Fazer acontecer o sínodo nas comunidades, com a participação de todos. Às vezes, pensamos muito nas estruturas, mas temos que pensar que as estruturas estão a serviço das pessoas e da missão que acontece na vida concreta das pessoas”, continuou o Cardeal.

O Cardeal Scherer salientou que as ações que decorrem da Campanha da Fraternidade devem continuar ao longo do ano. “É uma grande campanha de evangelização e de educação cristã. Nossa vida cristã não pode separar fé e vida. Por isso, temos que nos dar conta da realidade de violência, que não condiz com a vida cristã, e ajudar a sociedade a superar a violência por meio da fraternidade. Fraternidade supõe respeito, justiça e reconciliação”, disse.

Sobre o sínodo arquidiocesano (20182020), Dom Odilo afirmou ser um caminho que deve ser feito em conjunto. “Temos a necessidade de fazer acontecer a dimensão missionária da Igreja. Na Conferência de Aparecida, falou-se que devemos sair de uma dimensão de manutenção para uma dimensão missionária da Igreja. As comunidades são convidadas a fazer sempre essa avaliação sobre o quanto têm sido missionárias.”

O Arcebispo informou, ainda, que o Regulamento dos conselhos pastorais e paroquiais da Arquidiocese foi entregue aos bispos e coordenadores. Com ele, pretende-se que todas as paróquias formem conselhos pastorais, grupos de pessoas comprometidas com a evangelização que, ao lado do pároco e dos demais padres e diáconos, avaliem e proponham ações para que as pastorais e grupos vivam a missão com comprometimento. “Todas as paróquias devem manter o Conselho Econômico, mas também é importantíssimo que se forme o Conselho Pastoral”, orientou.

 

PROJETOS

Os coordenadores foram convidados a expor os projetos que estão sendo realizados, respondendo à seguinte pergunta: “Como sua organização religiosa está colaborando com as atividades do sínodo em sua comunidade paroquial?”

Caci Amaral, Coordenadora da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese e do Curso de Teologia para Leigos da Região Episcopal Lapa, falou sobre o incentivo e a formação dada aos cursistas para que sejam animadores do sínodo nas suas respectivas comunidades. “Temos 200 alunos no curso e, desde o ano passado, temos incentivado os alunos a trabalharem em suas paróquias, bem como consultado o material publicado no jornal O SÃO PAULO ”, explicou Caci.

O Diretor da Faculdade de Teologia da PUC-SP, Padre Boris Agustín Nef Ulloa, falou sobre a dimensão formativa para o sínodo, que pode ser oferecida às regiões por parte dos docentes da Faculdade.

Sueli Camargo, da Pastoral do Menor Arquidiocesana, recordou que a Pastoral está no processo do sínodo com o objetivo de rever as próprias ações. “Estamos em diversas frentes, em 19 unidades da Fundação Casa do Estado de São Paulo. Mas, a partir do sínodo, estamos nos perguntando mais uma vez ‘quem somos?’; ‘onde estamos?’; e ‘onde ainda precisamos estar para a defesa da criança e do adolescente.?’ Além disso, Sueli informou que as pastorais sociais já estão programando uma assembleia, que acontecerá no segundo semestre.

Membros de outras pastorais, como a da Pessoa com Deficiência, Comunicação, Educação e Familiar também deram suas contribuições respondendo à questão inicial proposta pela organização do evento, bem como os bispos auxiliares que falaram a partir das pastorais as quais eles são referenciais.

Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia e Vigário Episcopal para a Pastoral da Comunicação, informou aos participantes o número do WhatsApp que foi disponibilizado exclusivamente para que se troquem informações sobre o sínodo em toda a Arquidiocese. “O objetivo é que possamos divulgar nos nossos canais de comunicação todas as atividades que forem realizadas a partir do sínodo”, explicou o Bispo. O número é (11) 98068 9417.

Após a Celebração da Palavra, presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, o encontro foi encerrado.