‘Sal da terra e luz do mundo’

Na solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, Igreja abre o Ano Nacional do Laicato
Publicado em: 01/12/2017 - 11:30
Créditos: Redação

Luciney Martins/O SÃO PAULO

“A grande riqueza da Igreja está na diversidade que a compõe. Contudo, fazse necessário compreender que compete a todos, sejam leigos, clérigos ou religiosos, o cumprimento da missão evangelizadora instituída por Jesus. A proposta da Igreja é que voltemos a ser ‘sal da terra e luz do mundo’”, disse Marcelo Cypriano Motta, que participa da Catedral da Sé (leia mais na página 11), e foi nomeado para a Comissão arquidiocesana para o Ano Nacional do Laicato, aberto oficialmente no domingo, 26, na celebração da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. 

"Apesar do crescimento da consciência da identidade e da missão dos cristãos leigos e leigas na Igreja e no mundo, ainda há longo caminho a percorrer: A tomada de consciência desta responsabilidade laical, que nasce do Batismo e da Confirmação, não se manifesta de igual modo em toda a parte; em alguns casos, porque não se formaram para assumir responsabilidades importantes, em outros por não encontrarem espaço nas suas Igrejas particulares para poderem exprimir-se e agir, por causa de um excessivo clericalismo que os mantém à margem das decisões. (EG, n. 102)"

Na Arquidiocese de São Paulo, a missa às 11h, na Catedral da Sé, foi presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, e reuniu os diferentes organismos que representam os leigos, como o Conselho de Leigos da Arquidiocese de São Paulo.

"Queremos reconhecer os diferentes rostos dos cristãos leigos e leigas, irmãos e corresponsáveis na evangelização. São para nós motivo de alegria e de ânimo na vivência do ministério ordenado. (Documento 105 da CNBB)"

O Ano Nacional do Laicato foi convocado pela CNBB e tem como tema “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’ a serviço do Reino” e como lema “Sal da Terra e Luz do Mundo (Mt 5,13-14)”.

Na homilia, Dom Odilo lembrou aos leigos a importância de que eles sejam o “fermento na massa”, que sejam discípulos do Reino de Deus e, ao mesmo tempo, missionários, mensageiros de Deus para o mundo. Ele recordou, também, que tipo de reino Jesus veio instaurar na Terra e lembrou aos fiéis sobre a Campanha de Evangelização, que terá duração até o 3º domingo do Advento, quando “a Igreja recolhe doações para desenvolver sua principal atividade: evangelizar”

“Os leigos estão nas paróquias e são todos os batizados. Alguns leigos são chamados a servir o povo de Deus. Mas, os leigos são todos vocês, Igreja de batizados. Igreja de testemunhas de Jesus Cristo, que participam da grande graça da fé e dos dons que recebemos por meio dos sacramentos. Todos os que participam da grande esperança, do grande patrimônio espiritual da Igreja, desde Jesus até nós, chamados a viver a esperança e o testemunho do Reino de Deus no meio de nós. Vós sois o sal da terra e a luz do mundo e que vossa luz brilhe no meio do mundo”, afirmou Dom Odilo  .

Marcelo Kobayakawa é Vice-Presidente do Conselho de Leigos da Arquidiocese de São Paulo, em que atua desde 2010, e membro da Comissão para o Ano do Laicato. Além disso, ele participa do Fórum das Pastorais Sociais da Região Episcopal Sé. À reportagem, ele disse que “vê o Ano do Laicato como uma grande oportunidade para ajudar os leigos a perceberem que eles têm a responsabilidade de serem discípulosmissionários na cidade de São Paulo”. 

Ações para o Ano do Laicato estão sendo programadas pela Comissão nomeada especialmente para a ocasião. Entre as iniciativas estão o aprofundamento e a reflexão sobre o Documento 105 da CNBB – “Cristãos leigas e leigos na Igreja e na Sociedade – Sal da Terra e Luz do Mundo”.
 

"O sacerdócio comum dos fiéis e o sacerdócio ministerial ou hierárquico, embora se diferenciem essencialmente e não apenas em grau, ordenamse mutuamente um ao outro; pois um e outro participam, a seu modo, do único sacerdócio de Cristo. Com efeito, o sacerdote ministerial, pelo seu poder sagrado, forma e conduz o povo sacerdotal, realiza o sacrifício eucarístico, fazendo as vezes de Cristo e oferece-o a Deus em nome de todo o povo; os fiéis, por sua parte, concorrem para a oblação da Eucaristia em virtude do seu sacerdócio real, que eles exercem na recepção dos sacramentos, na oração e ação de graças, no testemunho da santidade de vida, na abnegação e na caridade operosa. (LG, n 10)"

 


Oração para o  Ano Nacional do Laicato

Ó Trindade Santa, Amor pleno e eterno, que estabelecestes a Igreja como vossa “imagem terrena”: Nós vos agradecemos pelos dons, carismas, vocações, ministérios e serviços que todos os membros de vosso povo realizam como “Igreja em saída”, para o bem comum, a missão evangelizadora e a transformação social, no caminho de vosso Reino. Nós vos louvamos pela presença e organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil, sujeitos eclesiais, testemunhas de fé, santidade e ação transformadora. Nós vos pedimos, que todos os batizados atuem como sal da terra e luz do mundo: na família, no trabalho, na política e na economia, nas ciências e nas artes, na educação, na cultura e nos meios de comunicação; na cidade, no campo e em todo o planeta, nossa “casa comum”. Nós vos rogamos que todos contribuam para que os cristãos leigos e leigas compreendam sua vocação e identidade, espiritualidade e missão, e atuem de forma organizada na Igreja e na sociedade à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres. Isto vos suplicamos pela intercessão da Sagrada Família, Jesus, Maria e José, modelos para todos os cristãos. Amém!